AMP ao vivo na Nox

A banda AMP foi uma das vencedoras do concurso promovido pelo site Link Musical para tocar no palco do Abril Pro Rock. O festival mal terminou e os ecos daquele show já se fazem presente. Para os jornalistas que assistiram à banda, saíram do evento com a certeza de que nascia mais uma boa banda na cena do Recife. Eles estão com projetos grandes que incluem lançamento de CD com distribuição nacional, parceria com o MySpace e shows em outros festivais.

Para saber mais sobre esse hype que vai se construindo, O GRITO! conversou com Eduardo Azevedo, líder da banda.

Acreditavam vencer o concurso para tocar no Link Musical?
Foi uma surpresa a quantidade de votos contabilizados, mas é claro que a gente trabalhou pra caramba por esses votos. De todo jeito, acredito que a grande parte de quem votou, foi devido a propaganda boca a boca. Do dia em que apareceu essa idéia, diga-se muito massa, do Link Musical, de uma seleção popular, até o dia 31 de março, não paramos em momento algum de correr atrás de, digamos assim, cabos eleitorais, além de constante trabalhos no Orkut, My Space e e-mail.

Vocês foram bem elogiados depois do show no APR. Ainda está repercutindo muito aquela apresentação?
Na minha cabeça está! (risos) A gente gostou muito do show! Foi irado. Temos alguns festivais já marcados e outros dependendo de confirmação. Pretendemos passar os meses subsequentes correndo atrás de lugares pra mostrar o nosso álbum e algumas músicas inéditas também. Rock Independente é feito bicicleta, se parar de pedalar, cai.

Como foi a idéia de formar a AMP? Além da sonoridade, existe algum conceito usado pela banda?
A gente tenta não se prender muito a conceitos, quantias ou ideologias, mas é claro que é impossível não transparecer as principais influências de cada um no som que se toca, uma coisa é certa: o lema é sempre Rock pra frente, pesado, paletada pra baixo.

O que aconteceu com os antigos projetos de vocês? O que faziam até chegar aqui?
Eu e o Crika sempre tocamos juntos, numa banda chamada Espanta Família. Sempre fomos muito amigos de Dudu e Djalma, daí depois que eles voltaram de São Paulo, se incorporaram a banda e a gente fechou o grupo.

Li que vocês fizeram uma parceria com o MySpace. Dá pra explicar mais como funciona?
Pra ser sincero, não tem nada certo ainda, mas se rolar vai ser algo sobre disponibilização do Album inteiro via MySpace.

Que bandas daqui vocês acreditam ter alguma relação de idéias, sonoridades com vocês?
Velho, na cena atual daqui existem bandas muito iradas, acho que falando por todos da banda: Vamoz!, River Raid, Devotos, Sweet Funny Adams…

Nos contem mais sobre o novo disco. Já li que será lançado pela Monstro.
Também não tem nada fechado. O disco vai ter 10 faixas, não decidimos ainda se vai ter faixa multimidia, de quanto vai ser a tiragem, a gente tá focando agora no processo de masterização, pra sair filé.

Vocês cantam em português e isto é muito interessante. Quem escreve as letras?
Difícil dizer, geralmente eu ou djalma chegamos com parte da letra e nós quatro vamos opinando e fechando as letras, temos músicas em inglês também.

Quais os próximos shows que estão planejando?
Fechado mesmo, temos agora dia 10, lá em Natal, vai ser irado, a galera de lá é sempre muito receptiva e isntigada com as bandas de fora.

Com mais projetos pela frente e possibilidade de, após o disco lançado, tocar em festivais importantes, pensam em sair do Recife?
Não pensamos em nada ainda sobre isso, se pintar festivais importantes fora de Recife, vamos na maior instiga, mas acho que não mudaremos de QG.

Se pudesse definir a AMP numa palavra.
Sinestesia

Sem mais artigos