Equipe de Branco Sai, Preto Fica no palco. (Foto: Agência Brasil).

Equipe de Branco Sai, Preto Fica no palco. (Foto: Agência Brasil).

Pernambuco foi destaque na premiação do de Brasília, que terminou nesta terça (23). Filmes pernambucanos levaram 15 dos 33 prêmios da competição oficial de curtas e longas. O brasiliense Branco Sai, Preto Fica, de Adirley Queirós foi o grande vencedor, com prêmio de melhor filme e outros 10, incluindo ator e direção de arte.

Com forte crítica social, o filme conta a história de vítimas do descaso, tendo como pano de fundo um caso de agressão policial ocorrido na cidade de Ceilândia, no Distrito Federal. A história mistura documentário, ficção científica e expõe um futuro onde as desigualdades mostram-se ainda mais cruéis.

Cena de Brasil S/A. (Foto: Divulgação).

Cena de Brasil S/A. (Foto: Divulgação).

Pernambucanos

Brasil S/A, de Marcelo Pedroso, foi um dos destaques deste ano do Festival de Brasília e ganhou 11 troféus, incluindo os troféus de melhor diretor, roteiro, trilha sonora, montagem e som. Ventos de Agosto, estreia na ficção de Gabriel Mascaro, levou três prêmios: melhor fotografia e atriz. O curta Sem Coração, já premiado em Cannes, ganhou quatro prêmios. Loja de Répteis, curta de Pedro Severien, ganhou três, incluindo fotografia e trilha sonora.

Veja a lista completa:

MOSTRA COMPETITIVA DE FILMES DE LONGA-METRAGEM
Melhor filme (R$ 250.000,00) – Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós
Melhor filme pelo júri popular (R$ 50.000,00) – Sem pena, de Eugenio Puppo
Melhor direção (R$ 30.000,00) – Marcelo Pedroso, por Brasil S/A
Melhor ator (R$ 15.000,00) – Marquim do Tropa, por Branco sai. Preto fica
Melhor atriz (R$ 15.000,00) – Dandara de Morais, por Ventos de Agosto
Melhor ator coadjuvante (R$ 10.000,00) – Renato Novais de Oliveira, por Ela volta na quinta
Melhor atriz coadjuvante (R$ 10.000,00) – Élida Silpe, por Ela volta na quinta
Melhor roteiro (R$ 15.000,00) – Marcelo Pedroso, por Brasil S/A
Melhor fotografia (R$ 15.000,00) – Gabriel Mascaro, por Ventos de Agosto
Melhor direção de arte (R$ 15.000,00) – Denise Vieira, por Branco sai. Preto fica
Melhor trilha sonora (R$ 15.000,00) – Mateus Alves, por Brasil S/A
Melhor som (R$ 15.000,00) – Pablo Lamar, por Brasil S/A
Melhor montagem (R$ 15.000,00) – Daniel Bandeira, por Brasil S/A

MOSTRA COMPETITIVA DE FILMES DE CURTA-METRAGEM
Melhor filme (R$ 35.000,00) – Sem coração, de Nara Normande e Tião
Melhor filme pelo júri popular (R$ 25.000,00) – Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano
Melhor direção (R$ 15.000,00) – Nara Normande e Tião, por Sem coração
Melhor ator (R$ 10.000,00) – Zé Dias, por Geru
Melhor atriz (R$ 10.000,00) – Maeve Jinkings, por Estátua!
Melhor roteiro (R$ 10.000,00) – Gabriela Amaral Almeida, por Estátua!
Melhor fotografia (R$ 10.000,00) – Beto Martins, por Loja de répteis
Melhor direção de arte (R$ 10.000,00) – Juliano Dornelles, por Loja de répteis
Melhor trilha sonora (R$ 10.000,00) – Piero Bianchi, Vinícius Nunes e Mateus Alves, por Loja de
répteis
Melhor som (R$ 10.000,00) – Fábio Baldo, por Geru
Melhor montagem (R$ 10.000,00) – Nara Normande e Tião, por Sem coração

TROFÉU CÂMARA LEGISLATIVA DO DF – MOSTRA BRASÍLIA
Melhor longa-metragem – Branco Sai. Preto Fica, de Adirley Queirós
Melhor curta-metragem – Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano
Melhor direção – André Luiz Oliveira, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato
Matos
Melhor ator – Marquim do Tropa, por Branco Sai. Preto Fica
Melhor atriz – Klarah Lobato, por Querido Capricórnio
Melhor roteiro – Fáuston da Silva, por Ácido Acético
Melhor fotografia – Dani Azul, por Meio Fio
Melhor montagem – Guille Martins, por Branco Sai. Preto Fica
Melhor direção de arte – Luiz Fernando Skopein, por À Mão Armada
Melhor edição de som – Guille Martins e Camila Machado, por Branco Sai. Preto Fica
Melhor captação de som direto – Francisco Craesmeyer, por Branco Sai. Preto Fica
Melhor trilha sonora – Renato Matos, por Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato
Matos
Melhor longa-metragem pelo júri popular – Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato
Matos, de André Luiz Oliveira
Melhor curta-metragem pelo júri popular – Ácido Acético, de Fáuston da Silva

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES:
Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos,
de André Luiz Oliveira
PRÊMIO CANAL BRASIL: Sem coração, de Nara Normande e Tião
PRÊMIO EXIBIÇÃO TV BRASIL: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

PRÊMIO ABRACCINE
Melhor filme de curta-metragem: Estátua!, de Gabriela Amaral Almeida
Melhor filme de longa-metragem: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

PRÊMIO SARUÊ: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

PRÊMIO VAGALUME
Melhor filme de curta-metragem: Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano
Melhor filme de longa-metragem: Ventos de Agosto, de Gabriel Mascaro

PRÊMIO CONTERRÂNEOS: Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz
Oliveira

[Via EBC e Cine Marcado]

Sem mais artigos