Divulgação

Decepção. Essa é a palavra que descreve o sentimento de alguns fãs em relação ao single mais aguardado do começo deste ano: “Born This Way”, de Lady Gaga. Foram meses na espera de algo que, nas palavras da própria cantora, seria o hino de uma geração. Um dos blogueiros mais famosos do mundo, Perez Hilton, em entrevista à MTV News, afirmou que essa seria a melhor música de Gaga. Porém, os que hoje, ansiosos, acessaram a rede para enfim escutar o tal “hino”, foram remetidos ao ano de 1989, onde uma garota, também loira, cantava sobre a livre expressão e auto-afirmação. A associação dos arranjos e batidas de “Born This Way” com Express Yourself de Madonna é imediata.

Não precisa ser um expert para saber que dificilmente a música de um artista pop não tenha elementos parecidos com uma de Madonna ou Michael Jackson, afinal eles foram os precursores do gênero como o conhecemos hoje. A tal ‘diva Monster’ já havia “homenageado” Madonna no clipe Alejandro, porém, mais do que a semelhança entre as canções, o que decepciona neste single, é que ele em não representa uma evolução no estilo Lady Gaga, que conquistou milhares de fãs no mundo todo.

Talvez, a culpada por esse sentimento seja a própria Gaga. Ela alimentou a fome por algo novo com os hits Bad Romance, Poker Face e tantos outros, que a expectativa em torno de Born This Way era a consolidação de uma promessa feita no primeiro álbum, o The Fame. Em resumo, trata-se de um hype sem lastro, melhor mesmo enquanto promessa de que seria a melhor coisa já feita, etc. A torcida é para que o resto do CD, que é lançado em maio, seja mais ao estilo monster, e que Lady Gaga cumpra o que prometeu ao pop. [Marta Souza]

Sem mais artigos