A 2ª Mostra Bienal CAIXA de Novos Artistas está em cartaz e traz trabalhos experimentais, poéticos e políticos de 30 artistas de vários estados do país. A exposição itinerante, com 37 obras, ocupa o prédio da CAIXA Cultural Recife com entrada gratuita.

Os trabalhos escolhidos contemplam de desenhos a esculturas, passando por fotografias, gravuras, instalações, intervenções, pinturas e vídeo. A visitação pode ser feita sempre de terça a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, das 10h às 17h.

Questões de gênero, raça, identidade, meio ambiente, ética e engajamento por direitos humanos e sociais aparecem como marcos do momento de transformação atual nos trabalhos dos artistas selecionados. “As obras expostas têm um potente diálogo contemporâneo e revelam um panorama das linguagens e propostas de uma emergente geração das artes visuais. Suas narrativas revelam o artista como um ator social crítico, pleno de cidadania, que se expõe e nos projeta para as complexas relações que se dão nas grandes cidades”, explica a curadora Liliana Magalhães.

A obra “Não É Sentir”, da pernambucana Cecília Urioste. (Divulgação).

A pernambucana Cecília Urioste está presente na mostra, com duas obras. A primeira uma videoinstalação de quase dois minutos, um autorretrato intitulado Não é sentir que aborda a relação entre os sentidos e os sentimentos, através de um coração machucado que bate e sangra fora do peito; a segunda, PonderaDor, é um diário motivado não só por inspirações artísticas, mas também pela sofrida experiência de ter sido submetida a um tratamento de dor crônica. Cecília Urioste reside em Recife, mas cursou o Master em Fotografia de Arte no Centro Internacional de Fotografia y Cine (EFTI), em Madri, na Espanha, participou da exposição coletiva Encontros de Agosto, no Centro Cultural Dragão do Mar (CE) e foi selecionada pelo Funcultura para desenvolvimento de pesquisa artística.

A 2ª Mostra Bienal CAIXA de Novos Artistas está na sua segunda edição. O maior objetivo do projeto é abrir as portas e dar visibilidade para que novos artistas divulguem trabalhos em artes visuais. A seleção dos artistas participantes do projeto nesta edição foi feita a partir de um edital de seleção pública e a curadoria da mostra é assinada pela pernambucana Liliana Magalhães.

‘Monotonia 17/04′, de Lucas Lugarinho Braga. (Divulgação).

A exposição encerra sua passagem por Recife em maio e segue para a CAIXA Cultural Salvador. A 2ª Mostra Bienal CAIXA de Novos Artistas passa ainda em 2018 por Curitiba e Porto Alegre e encerra a itinerância por oito capitais.

Sem mais artigos