Divulgação.

Divulgação.

A cantora carioca Bian traz a representatividade lésbica no clipe de “Move on”, que faz parte do seu disco de estreia, que sai este ano pela Gomus Music. O vídeo foi gravado em um estacionamento deserto do Rio.

“Mais do que um clipe da causa gay, é uma história de amor, com duas meninas vivendo a sua sexualidade de maneira empoderada”, diz Bian, por e-mail. A cantora disse que sempre sentiu falta de mais representação lésbica na música pop.

Leia Mais
Tegan & Sara leva o queer pop ao mainstream

Um dos destaques do vídeo é a química entre as atrizes Juliana Thiré e Gabriela Reis, que foram escolhidas justamente por serem gays, dentro da proposta de representatividade. “O lyric clipe não conta uma história, quis mostrar apenas duas meninas vivendo sua sexualidade de forma natural, mas também fiz questão de que não fosse algo hipersexualizado, pelo contrário, é lúdico, bonito. Uma história de amor. Nós, lésbicas, temos poucas visibilidade e representatividade, é importante fazer clipes que ajudem a mudar isso”, explica. “

Bian começou sua carreira artística assinando como Bianca, quando lançou as músicas “Chained” e “What if”, de sonoridade folk. que foram parar direto nas trilhas sonoras das novelas globais “Malhação” e “Verdades Secretas”, respectivamente. Com o novo nome artístico, Bian mostra um trabalho mais eletrônico, pop e minimalista.

Sem mais artigos