Beach House | Devotion
NOTA7.5

Dupla indie americana colocou os ouvintes em penitência
Por Paulo Floro

O clima sacro é a característica mais recorrente quando se fala do Beach House, dupla americana de Baltimore. Isso fica ainda mais evidente neste segundo disco, onde a banda abandona um pouco o dream-pop para se aproximar a uma música de câmara bastante soturna.

Alex Scally e Victoria Legrand sempre estiveram associados a nomes como Mazzy Star, Nico e Galaxie 500 e sua sonoridade nunca conseguiu se afastar o mínimo dessas bandas. Por isso, para alguns, a banda tem uma audição difícil. Quase como um exercício de auto-punição (mais um elemento religioso, talvez). As melodias são etéreas (pra não dizer arrastadas), e cheia de experimentações, mas alguns novos direcionamentos podem ser encontrados aqui.

Legrand, com o desejo de soar como uma nova Nico um tanto minado, conseguiu imprimir personalidade neste Devotion. Diferentemente do primeiro disco homônimo e de muitas faixas deste, músicas como “Wedding Bell” são marcantes. De resto, prevalece a ideia de uma bolha onde tudo é muito homogêneo, tudo rezando na mesma direção.

BEACH HOUSE
Devotion
[Carpak, 2008]

Sem mais artigos