Foto: José de Holanda.

Foto: José de Holanda.

O músico baiano vem ao Recife para apresentar seu terceiro trabalho em show inédito no Teatro Santa Isabel no sábado (8 de maio). Ele é o primeiro compositor brasileiro a trabalhar com idiomas africanos em suas canções e vem sendo reconhecido internacionalmente pelo fortalecimento da cultura afrobrasileira.

Gravado no Senegal, após uma residência artística promovida pela UNESCO, Tempo e Magma marca uma nova fase de Tiganá. Com faixas cantadas em idiomas africanos (kikongo, kibundo, Wolof, Mandinka) e composições em português e inglês, o disco conta com a participação de músicos africanos. Além disso, ele contou com produtores suecos, Sebastian Notini e Andreas Unge, o que trouxe um frescor pop nos arranjos e no conjunto harmônico dos instrumentos utilizados na gravação.

O disco traz ainda a participação de Céu e a nonagenária sacerdotisa Mãe Stella de Oxossi, primeira líder espiritual de uma religião matriz africana a tomar posse na Academia de Letras da Bahia.

Sebastian Notini (percussão), Ldson Galter (contrabaixo) e os integrantes do Sobo Bade Band, grupo senegalês convidado especialmente para essa apresentação, dividem o palco com o artista. O show custa R$ 20 (inteira)/ R$ 10 (meia entrada). A apresentação começa às 21h.

Sem mais artigos