Divulgação

MADE IN BRAZIL
Cantando em inglês, quarteto curitibano lança seu primeiro disco na internet e traz sonoridade recheada do rótulo folk
Por Gabriel Gurman, especial para O Grito!

BAD FOLKS
Impossible
[Discos Voadores, 2008]

Até parece mentira, mas ele saiu. Depois de seis anos de carreira, a banda curitibana Bad Folks finalmente lança seu primeiro álbum completo com um título que não poderia ser mais adequado, Impossible. Depois de ter realizado diversos shows em importantes festivais Brasil afora e ainda uma turnê pela Europa, o quarteto formado por Cassiano Fagundes (guitarra e vocal), JC Branco (bateria), Caio Marques (violão e vocal) e Denis Nunes (baixo), abusa da reputação criada no cenário independente para lançar um disco coeso e maduro, no melhor sentido que estas palavras possam trazer, consolidando todas as influências que tiveram ao passar do tempo. Desde o ínicio da banda, pôde-se ver que o grupo foi pouco a pouco deixando a sonoridade folk e country na garrafa e foi beber em outras fontes como o twee e o power-pop, como pode ser escutado nas duas primeiras faixas do disco, “Cerebelum & CO.” e “Secret Girl”.

Uma coisa que instiga a curiosidade é o fato dos curitibanos não cantarem uma só canção em português. Quando o grupo começou a fazer seus primeiros ensaios, a música folk ainda era vista como brega e caipira por muitos. Assim, as composições na língua inglesa, poderiam ser vistas como uma forma de dizer àqueles que escutavam o Bad Folks para logo os relacionarem aos clássicos músicos norte-americanos como Hank Williams, Willie Nelson, Johnny Cash etc, e não aos “bregas brasileiros”.

Hoje em dia, seis anos depois, vemos no cenário independente brasileiro uma maior gama de artistas com clara inspiração na música “caipira” como Supercordas, Vanguart, Charme Chulo e, por que não, Mallu Magalhães, todos eles cantando em bom português – todas ou pelos menos algumas canções. Seria arriscado chamar essa opção da banda curitibana de escapismo, mas algumas músicas como “Coyote Girl Revisted” e, principalmente, “Ordinary Bitch” têm ótimo potencial de se tornarem grandes se cantadas na língua nativa.

Outro “problema” do disco é que foram selecionadas apenas dez músicas do repertório da banda, o que poderia ser melhor explorado. Acho que não faria mal à ninguém (muito pelo contrário) se algumas das músicas que fizeram a história da banda como “Capo” e a cashiana “Down the Train”, ambas gravadas no EP lançado em 2003, também estivessem no compacto. Para escutar Impossible e tirar suas próprias conclusões, baixe-o gratuitamente no site do grupo.

NOTA: 7,5

Bad Folks canta “Coyote Girl Revisited” no Poploaded (iG)

Sem mais artigos