A artista pernambucana Carol Monteiro inaugura sua exposição Coração de Pedra no MAMAM do Recife.  A mostra reúne um conjunto de obras que são o resultado de quatro anos de pesquisa, revelando uma produção fortemente inspirada na paisagem dos sertões nordestinos. A abertura acontece a partir das 19h da quinta (6/12) na sala Aquário Oiticica do Mamam, na Rua da Aurora, no Recife.

Ancorada em uma preocupação com a sustentabilidade, Carol utiliza materiais diversos em seu processo criativo, desde pedras de diferentes tipos e formatos encontradas na paisagem sertaneja a fragmentos de ossos de animais e itens garimpados de sucata que foram cuidadosamente reutilizados para compor cada um dos trabalhos expostos.

A partir desses elementos, Carol cria uma poética carregada de originalidade e força na busca por uma estética peculiar que remonta suas próprias origens.“Conheci o sertão pelo olhar da minha mãe, sertaneja, que tinha a delicadeza de chamar minha atenção para a beleza de um aboio e, ao mesmo tempo, para a dureza da vida da gente daquele lugar ”, lembra.

Caçula de uma família de oito filhos, a artista conta que aprendeu desde cedo a não desperdiçar e a prolongar a vida dos objetos. As lembranças da infância em Sertânia, no sertão pernambucano, são povoadas pelas imagens das feiras, das rendas de Renascença e do design preciso e orgânico dos utensílios de barro.

Nesse terreno simultaneamente árido e cheio de vida, nasceram biojoias e objetos que refletem intensamente um sertão revivido e ressignificado em quatro anos de experimentação e transformação“Compreendi que sou uma pessoa simples e essa simplicidade é o que expresso nessa exposição com muito cuidado. Fiz o máximo que pude com minhas próprias mãos”, resume.

Coração de Pedra chega ao Recife com produção executiva de Maria Rosa Pereira e segue em cartaz até 15/1, com entrada franca.

Sem mais artigos