Kanye West, artista do ano

N RAZÕES PARA AMÁ-LO
Inusitado e original, não é fã de cordões de ouro e muito menos dos carrões que balançam ao som do hip hop; é estiloso e defende suas idéias com personalidade; além disso faz música boa. O que mais esperar de Kanye West
por Phelipe Cruz, especial para O Grito!

Dias antes do lançamento de Graduation, no início do ano, o rapper Kanye West entrou em um duelo com o também rapper 50 Cent, que lançava Curtis, para ver quem mais vendia CD’s na data de estréia. O resultado foi uma vitória esmagadora de Kanye, que vendeu 957 mil cópias de seu novo trabalho em apenas seis dias contra 691 mil cópias de 50 Cent.

A disputa, por mais que parecesse séria, não passava de uma brincadeira saudável. Os dois são amigos e toparam competir porque sabiam que a briga renderia mais atenção (eles foram capa da RollingStone!) para o novo álbum de ambos.

O duelo, no entanto, apesar de amigável, só serviu para mostrar a força de Kanye West. Com Graduation, um disco de rap nada convencional, ele chamou a atenção do mundo em 2007 por trazer misturas inusitadas da música pop e um discurso (só para variar) muito inteligente e divertido nas composições. O álbum é repleto de pérolas pop e contém samples que vão desde o R&B e o soul dos anos 60 e 70 até à música eletrônica.

E foi justamente por causa dessa mistura com o eletrônico que Kanye West fez um dos melhores hits do ano. Na música “Stronger”, ele usou como sample o sucesso “Harder, Better, Faster, Stronger”, da dupla francesa Daft Punk, e a mistura fez um sucesso estrondoso nas rádios e clubes do mundo inteiro.

Mas Kanye West faz tanto sucesso porque não faz só música, mas também produz perfeitas obras de arte quando lança um videoclipe. Assim como Michael Jackson, Madonna e Bjork, o rapper toma muito cuidado com a forma que sua música ganhará na telinha. É por isso que “Stronger” é uma explosão visual e colorida misturada com tecnologia japonesa, “Can´t Tell Me Nothing” é uma viagem misteriosa pelo deserto e “Good Life” é um rabisco pop tão divertido quanto a própria música. E isso porque vamos citar somente os clipes feitos para “Graduation”.

Além de artista pop de primeira, Kanye West também passeia pelo mundo da moda e da tecnologia. Presença garantida na primeira fila dos desfiles da temporada européia, o rapper parece ter aprendido direitinho com os estilistas ao criar sua própria presença fashion. Os óculos usados por ele (um deles é totalmente branco e parece uma persiana) são uma marca registrada assim como o lenço no pescoço e os tênis absurdamente coloridos (o que vem depois disso?).

Na internet, o rapper bloga sobre tudo isso e fala de seus assuntos prediletos: música, moda e tecnologia. É fato que Kanye West não é um grande fã dos bundões enfiados em biquínis, nem dos cordões de ouro e muito menos dos carrões que balançam ao som do hip hop. Talvez seja por isso que ele faz tanto sucesso. Por sua originalidade, genialidade e personalidade. Ou então porque faz música boa e, no fundo, é isso que importa.

Não teve para ninguém em 2007. Só deu Kanye West.

* Phelipe Cruz é editor do site da revista Capricho e dono do blog Papel Pop.

Sem mais artigos