Akron/Family é religião regada a psicodelia e experimentalismo

akron-family.jpg

AKRON/FAMILY
Love is Simple
[Young God, 2007]

Akron Family - Love Is SimpleExperimental, caótico, desordenado, belo. Tantas são as alcunhas que podemos desperdiçar numa crítica do Akron/Family quantas são suas possibilidades criativas. Este novo disco, o quarto da carreira, dá continuidade ao transe quase religioso, mas acrescenta vários outros elementos ao som da banda.

Formados em Nova York por Dana Janssen, Seth Olinsky, Miles Seaton e Ryan Vanderhoof, são conhecidos pela improvisação tanto em shows quanto estúdios. A banda esteve no Brasil em maio deste ano para o festival Resfest, e fizeram uma despojada apresentação marcada pelo psicodelismo inspirados em Beach Boys e Captain Beefhart.

O Akron/Family é pródigo em curiosidades. Pra começar, todos na banda são multiinstrumentais. O nível de improviso faz com que todos toquem uma série de instrumentos. A banda também é conhecida por criar sua própria religião. Mas eles negam tudo. Indícios de que são de fato uma seita religiosa não faltam. Basta ouvir “Lake Song/New Ceremonial Music For Moms”.

Love is Simple continua com o foco no folk psicodélico, mas a banda respira muitas outras influências. Por vezes, parece até mesmo uma banda de jazz, ou de rock, ou eletrônica. Ou tudo ao mesmo tempo, como prova a música “End is A Portal”, que começa etérea, ganha guitarras, violinos e termina com uma batida de electro. Cada faixa do disco é uma surpresa agradável, e a primeira audição é a mais impressionante, pela quantidade de descobertas a cada acorde, cada nuance [Paulo Floro].

NOTA: 8,5

Sem mais artigos