Na foto, os capixabas do Mukeka di Rato (Foto: Divulgação).

Na foto, os capixabas do (Foto: Divulgação).

Aos 22 anos, o festival Abril Pro Rock já alcançou um nível de maturidade suficiente para saber que garantia de sucesso de uma edição vai além dessa ou daquela atração bombástica. É mais o espírito e “clima”, com uma unidade na escalação das bandas. Além disso, o APR também vem empreendendo uma estratégia há alguns anos de se renovar a partir da revelação de novos nomes. Por isso, este ano 80% da programação são de bandas e artistas inéditos no festival.

Especial 2014
Abril Pro Rock vai reunir nomes da moda independente
Entrevista: Bárbara Eugênia
Trummer SSA: Punk e política
Mostra Pôster Arte Design traz cartazes raros

A programação completa + infos sobre ingressos

O evento acontece essa sexta (25) e sábado (26), no Chevrolet Hall, em Olinda. Entre os nomes estão (EUA), (PE), o novo projeto de Fábio Trummer, da Eddie, a , Tulipa Ruiz, Autoramas e . O festival também realiza um tributo ao cantor Reginaldo Rossi, morto no ano passado e faz a estreia da , com músicos da Cena Beto, como , e Graxa.

Fizemos uma lista do que não perder nesses dois dias de festival. E aqui vai um convite para quem pensa que o sábado do Metal é apenas para iniciados. Há muita atração boa por lá para o grande público.

A capa do tributo ao Rei, organizado por Paulo André. (Divulgação/Agência Pavio).

A capa do tributo ao Rei, organizado por Paulo André. (Divulgação/Agência Pavio).

Tributo a ReiGinaldo Rossi
Reginaldo Rossi fez mais pela cultura pop em Pernambuco do que ainda conseguimos mensurar. O músico, morto no ano passado, ganha uma homenagem nesse Abril Pro Rock. O tributo terá a participação de Cannibal (Devotos), Fábio Trummer (Eddie), Isaar, Ortinho, Tulipa Ruiz, China, Zé Manoel, Johnny Hooker, Aninha Martins, Juvenil Silva e da cantora Ylana. A base para o show é a coletânea que Paulo André Pires, idealizador do festival, fez em 1999, com nomes como Lenine, Otto, Geraldo Azevedo, Zé Ramalho e Eddie. O mais legal é que a que acompanhará esse show é a mesma que tocou com Rossi por décadas.

Foto: Julia Rodrigues/Divulgação.

Felipe é peça-chave para entender a riqueza pop do Pará. (Foto: Julia Rodrigues/Divulgação).

Lá do Pará,
Fizemos uma matéria enorme dizendo como ninguém deve ignorar a nova cena musical do Pará. E o maior representante hoje é Felipe Cordeiro, que lançou o disco novo Se Apaixone Pela Loucura do Seu Amor, no final do ano passado. Filho do mestre Manoel Cordeiro, Felipe mistura cúmbia, bachata, cacicó, carimbó, rock, flerta com o synthpop e eletrônica e também mpb.

Basic is gold: os ídolos do Sebadoh. (Foto: Bryan Zimmerman/Divulgação).

Basic is gold: os ídolos do Sebadoh. (Foto: Bryan Zimmerman/Divulgação).

Sebadoh
Dentro do rock “lo-fi”, o Sebadoh é um dos nomes mais lembrados, e com razão. Eles estão na mesma turma de Dinosaur Jr., Pavemente e Guided By Voices. Ou seja, uma galera pouco interessada em frescuras, arranjos com sofisticação exagerada, etc. É um rock bem básico, com mesa de quatro canais e pouquíssima produção. Em 2013 eles lançaram Defend Yourself após 14 anos sem gravar álbum inédito. Ao lado do ídolo Lou Barlow, estão os integrantes Jason Loewenstein (do The Fiery Furnaces) e Bob D’Amico.

Johnny Hooker
Com “Volta”, faixa da trilha sonora do filme Tatuagem, o pernambucano Johnny Hooker mostrou que sabe dar um frescor pop a qualquer gênero – no caso o brega rasgado, de gafieira. Ator e cantor, Johnny insere um tom punk e gay em suas performances, como já presenciamentos em aparições de sua banda, a Candeias Rock City. O músico sobe ao palco do Abril Pro Rock em um bom momento da carreira. Ele foi escalado para integrar o elenco da nova novela Geração Brasil, da Rede Globo, em que interpretará o músico Thales Moreira. Johnny apresenta no APR seu quarto disco, Eu Vou Fazer Uma Macumba pra Te Amarrar, Maldito!.

Quem vai se garantir na roda punk do Mukeka? (Divulgação/Agência Pavio).

Quem vai se garantir na roda punk do Mukeka? (Divulgação/Agência Pavio).

Mukeka di Rato
Os capixabas do Mukeka di Rato são donos do show mais ENSANDECIDO que se tem notícia hoje dentro do rock brasileiro. Com 16 anos de carreira, a banda é uma instituição dentro do metal atual. Eles chegam ao APR com o novo disco Atletas de Fristo. Prepare-se para as maiores rodas punk que já viu. E entre apenas se você se garantir

Olho Seco, veteranos do punk
A Olho Seco é um dos nomes clássicos do punk paulista, mas nunca chegou a fazer sucesso como o Ratos de Porão, com quem já dividiu palcos. Surgida em São Paulo em 1980, o grupo de punk/thrashcore se mantém fiel à filosofia do movimento até hoje. Vocal agressivo, letras sobre a dura realidade (miséria, hipocrisia policial etc.) e instrumental rápido. Pacote completo.

Joanathan: Elvis em Caruaru (Foto: Divulgação/Agência Pavio).

Joanathan: Elvis em Caruaru (Foto: Divulgação/Agência Pavio).


O Abril Pro Rock está avisando: decorem o nome de Joanatan Richard. O músico de Caruaru faz sua estreia ao grande público propondo uma releitura do rockabilly dos ano 1950, sobretudo de seu maior ídolo, Elvis Presley. Em 2013, Joanatan se consagrou ao sair em turnê com Rudy ‘Tutti’ Grayzell, ícone do Rockabilly que já tocou ao lado de nomes como Elvis Presley e Roy Orbinson.

A banda Desalma que lança o seu Foda-se no APR. (Divulgação)

A banda que lança o seu Foda-se no APR. (Divulgação)

Desalma com Bongar ligando o foda-se
Nome importante da nova geração do rock pesado do Recife, a Desalma faz um show especial ao lado da Bongar. São dois extremos, que compartilham o peso das batidas. Os dois grupos já provaram que a parceria deu muito certo com gravação em estúdio. Atualmente formada por Erick Dartelly (Voz), Mathias Severien (Guitarra), Pedro Diniz (Baixo) e Renato Corrêa (Bateria e Voz), o Desalma vai lançar seu primeiro álbum, Foda-se, no Abril Pro Rock.

Foto: Bruno Guerra/Divulgação.

Foto: Bruno Guerra/Divulgação.

Trummer SSA
Fábio Trummer, conhecido como líder da banda Eddie, se uniu aos músicos Dieguito Reis e Luca Bori, da Vivendo do ócio (BA), para formar a Trummer Super Sub América, ou simplesmente Trummer SSA. A pegada é trazer um tom mais dark e pesado, com influência dos anos 1980 e letras com crítica social. O disco, com dez músicas, foi lançado no ano passado.

Bárbara Eugênia
A carioca Bárbara Eugênia, surgiu na cena independente com uma voz rouca inconfundível, delicada e firme ao mesmo tempo, com o disco Journal de BAD, em 2010. No ano passado, ela lançou o segundo trabalho, É O Que Temos, em que traz influências setentistas e até uma versão de “Porque Brigamos”, sucesso de Neil Diamond eternizado em português pela cantora Diana.

O mapa da Cena Beto, que  (Foto: Divulgação).

O mapa da Cena Beto, que (Foto: Divulgação).

A estreia da Orquestra Betotélica
Quem acompanha mesmo que minimamente a nova cena musical de Pernambuco já deve ter ouvido falar na Cena Beto. São músicos que se uniram em torno da necessidade de criarem ações e shows onde pudessem se apresentar, driblando a dificuldade do Recife em encontrar espaços para tocar. Eles também compartilham o gosto pela psicodelia. Os músicos Juvenil Silva, Aninha Martins e Graxá no formato “Orquestra Betodélica”, farão um show de rock baseado nas principais músicas não só dos três, mas de outras bandas que fazem parte desse momento, como Matheus Mota.

Serviço
Ingressos: R$ 30 (meia entrada) / R$40 + 1kg de alimento não perecível (social) / R$60 (inteira)
Ingressos à venda no Chevrolet Hall e Lojas Renner
Abertura dos portões: Sexta, às 20h e Sábado, às 18h.

Atualização: O post foi atualizado para corrigir o nome de Matheus Mota. Tínhamos escrito erroneamente ‘Matheus Moura’.

Sem mais artigos