DIÁRIO: LULINA
Por Lulina

Nossa pri­meira tour inter­na­ci­o­nal já começa de forma inu­si­tada, em uma sor­ve­te­ria de Seattle. Full Tilt Ice Cream, deli­ci­oso local para tocar e, obvi­a­mente, tomar sor­vete. O show foi sen­sa­ci­o­nal, com uma turma sacu­dindo ao som das can­ções (os ame­ri­ca­nos da Costa Oeste, por incri­vel que pareça, dan­çam bem mais que os bra­si­lei­ros em shows). E no final até gri­ta­ram um “lulina num sei que lá!” e todos aplau­di­ram e sor­ri­ram (não entendi o que fala­ram, mas me parece que foi bom). No iní­cio, eu ainda não fazia idéia do que essa turnê sig­ni­fi­ca­ria para nós. Marcamos shows em cima da hora, meio na lou­cura, com a ajuda do nosso amigo Matt. Uma das coi­sas que mais me dei­xava rece­osa era o fato de can­tar em por­tu­guês. Será que os grin­gos não iam achar chato um monte de bla­bla­blá que eles não fazem idéia do que é nas can­ções?

Tatiana Blass – Teatro para Cachorros e Aviões
Galeria: Thiago Trapo no Recife
Histeria Oscar: Bastardos Inglórios
Histeria Oscar: Preciosa — Uma História de Esperança
Oscar 2010: A festa do tapete vermelho
Chuck Norris 70 anos
Crítica: The Album Leaf | A Chorus Of Storytellers
Mixtape: TAPEDECKS

Sem mais artigos